Brasil, 
23 de fevereiro de 2024
Sorteados

Confira os ganhadores,
cadastre-se e
concorra a prêmios!
Indique este site para um amigo
Seu e-mail:

E-mail do seu amigo:

Ecobanner 1
A A
Laranja de Macaco

Espécie importante nos plantios de recuperação e restauração florestal.

           A Laranja de Macaco, também conhecida popularmente como baga de macaco ou bacupari-miúdo, ocorre na Mata Atlântica, a partir da Bahia em direção ao Sul do Brasil, com registros no Pantanal e na Amazônia, sempre em terrenos férteis e úmidos.

          Para os indios é conhecida como Posoqueria, que em tupi-guarani quer dizer “bebida forte”, pois os índios usavam as suas sementes para fazer um tipo de café. Do nome indígena surgiu o seu nome científico Posoqueria acutifolia.

          A Laranja de Macaco é uma árvore pequena de 4 a 8 metros, cuja copa pode ter até 3 metros de diâmetro, com folhas perenes e numerosas flores de cor brancas cremosa. Sendo por isso, também, indicada para fins ornamentais.

 
Foto: site Click Mudas 

          Seus frutos, amadurecem em julho, são bagas amarelas recheadas de sementes de cor creme, translúcidas e poliedrais (que tem muitas faces), sem muita polpa. De sabor delicado, exótico e agradável é  muito apreciada pelos animais, em especial os macacos. É comum encontrar na mata, vestígios de frutos comidos e ao lado deles sementes germinando e já formando novas plantinhas. Isso é um indicativo de que a Laranja de Macaco é uma excelente opção para iniciar projetos de recuperação florestal. 


foto: Miriam Prochnow  - Apremavi

          A Laranja de Macaco é também uma planta com potencial medicinal. Popularmente seus galhos e folhas são utilizadas como antimicrobianas, cicatrizantes e antiinflamatórias. Já foram realizadas pesquisas para testar essas propriedades e os resultados são bastante promissores, indicando que a espécie tem de fato um grande potencial para o desenvolvimento de produtos medicinais.

          O fato da Laranja de Macaco ter suas frutas tão apreciadas pelos animais, faz com que essa espécie seja muito importante nos plantios de recuperação e restauração florestal. Atrair a fauna em áreas em recuperação é um fator importante para a dispersão de sementes de espécies arbóreas

Plantando as sementes:

     - coloque as sementes em um saquinho com furos para drenagem da água e terra de boa qualidade;
     - cubra as sementes com uma fina camada de terra;
     - regue uma vez ao dia, e deixe em local sombreado;
     - transplante para um saco maior, também com furos, quando a muda atingir 30 cm;
     - ao atingir 60 cm a muda pode ser plantada em local definitivo.

Dicas para cultivo:

          Essa espécie pode ser cultivada em clima tropical e subtropical. Adapta-se a qualquer altitude e solo, mais é necessário enriquecer bastante o solo com matéria orgânica e cobertura morta, pois a planta só em encontrada na natureza em terrenos férteis e úmidos ou mesmo em banhados com parte das raízes submersa na argila. Sempre manter capim seco ou qualquer tipo de cobertura morta a fim de manter umidade constante.

Sementes: De germinação lenta de 30 a 90 dias;

Frutas: Inicia a frutificação com 6 a 8 anos;

Mudas:  De crescimento lento, estando mais apropriada para o plantio com 8 meses. O desenvolvimento é melhor quando irrigada com freqüência ou se plantada onde o lençol freático é superficial;
 
Local de plantio: Indicado para áreas abertas, margens de cursos d´água e calçadas sem fiação. Podem ser plantados em qualquer tipo de solo que conserve bem a umidade, o qual deve ser enriquecido com matéria orgânica. 

Regas: Após o plantio em local definitivo irrigar com 20l de água por semana nos primeiros 3 meses, depois, somente quando não tiver chovido por 30 dias.
 


foto: Miriam Prochnow  - Apremavi

          A Ecoloja estimula o plantio de árvores. Ajude a reflorestar a Serra da Bodoquena, Bonito/MS, adiquira a Camiseta , Babylook  ou Ecosacola da Floresta.
 
 

Newsletter
Digite seu e-mail: