Brasil, 
23 de fevereiro de 2024
Sorteados

Confira os ganhadores,
cadastre-se e
concorra a prêmios!
Indique este site para um amigo
Seu e-mail:

E-mail do seu amigo:

Ecobanner 1
A A
Projeto Peixe-Boi registra segundo encalhe da espécie desta temporada

Um filhote macho de peixe-boi da espécie Trichechus manatus (peixe-boi marinho) encalhou morto na manhã do dia 07 de setembro na praia de Riacho Doce, localizada na capital de Alagoas, a 10 quilômetros, ao norte, do centro de Maceió. Projeto

10/09/2005
Projeto Peixe-Boi registra segundo encalhe da espécie desta temporada

Um filhote macho de peixe-boi da espécie Trichechus manatus (peixe-boi marinho) encalhou morto na manhã do dia 07 de setembro na praia de Riacho Doce, localizada na capital de Alagoas, a 10 quilômetros, ao norte, do centro de Maceió.

De acordo com informações da bióloga do CMA/Ibama - Centro Mamíferos Aquáticos, Carolina Alvite, o aviso do encalhe foi dado na sexta-feira (9), por meio do chefe da APA - Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais, Fernando Acioli. Acioli recebeu a informação pela presidente da associação dos pescadores e marisqueiros de Riacho Doce, Sra. Marlene.

Uma equipe do CMA se deslocou ao local para recolher a carcaça do animal, mas quando chegou à praia foi informado que o peixe-boi tinha sido enterrado por pessoas da comunidade por conta do odor que exalava. “Achamos o local onde foi feito o sepultamento e desenterramos o animal para que ele pudesse ser identificado e transferido para o Laboratório de Mamíferos Aquáticos do CMA em Pernambuco. Não sabemos se será possível identificar a causa da morte em função do avançado estado de decomposição da carcaça”, explica Carolina.

A bióloga afirma ainda que há vestígios de cordão umbilical no filhote, indicando ser um animal recém nascido, que se encontra em adiantado estado de decomposição, o que explica o forte cheiro. Ainda hoje a carcaça será encaminhada para o Laboratório de Mamíferos Aquáticos, na Sede Nacional do Projeto Peixe-Boi, na Ilha de Itamaracá (PE), onde a veterinária-chefe da Fundação Mamíferos Aquáticos, Jociery Vergara-Parente está de plantão à espera do animal para necropsia.

Com esse, sobe para dois o número de filhotes encalhados já registrado pelo Projeto Peixe-Boi nesta temporada reprodutiva que, de acordo com anos anteriores, se inicia no mês de setembro e se estende até março. O primeiro aconteceu no final do mês passado, no dia 29 de agosto. Quando uma fêmea, com pouco menos de um mês de vida, 1,33 metro de comprimento e 38kg encalhou na praia de Canoa Quebrada, município de Aracati, a cerca de 150 km de Fortaleza, no Ceará.

A fêmea cearense está bem e sob os cuidados da Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos – Aquasis -, esperando ser transferida para a área de reabilitação do Projeto Peixe-Boi, em Itamaracá. O Projeto é executado pelo Centro Mamíferos Aquáticos/Ibama, em co-gestão com a Fundação Mamíferos Aquáticos e desde 1997 tem o patrocínio oficial da Petrobras.

Alagoas – Carolina Alvite demonstra-se preocupada com relação aos acontecimentos. Este é o segundo caso de encalhe de peixe-boi registrado este ano em Alagoas. O primeiro aconteceu em fevereiro, quando uma fêmea adulta encalhou já morta na praia de Carro Quebrado, localizada no município de Barra de Santo Antônio, a cerca de 37 km de Maceió.

“Ficamos surpresos com a notícia, pois o último registro de encalhe de filhote vivo em Alagoas foi há dez anos, em setembro de 1995”, afirmou na ocasião a bióloga do CMA/Ibama no estado. A ocupação humana nos estuários e manguezais (áreas de procriação dos peixes-bois) e a crescente degradação do meio ambiente como um todo na costa alagoana pode estar relacionada com as possíveis causas desses últimos encalhes. (Luis Boaventura/Ibama/CMA)

por Ambiente Brasil

Fonte: www.ambientebrasil.com.br

Newsletter
Digite seu e-mail: